sábado, 18 de dezembro de 2010

Surgimento do Cristianismo

Em principio para entendermos o cristianismo é preciso voltar no tempo e buscarmos informações sobre a vida de Cristo, local onde ele viveu, os povos existentes e as correntes de pensamento da época.
Lembremos que a expansão do Império Romano se deu a 40 anos antes da vinda de Cristo e vieram com tamanho poder que conquistaram parte da Ásia, parte da África, boa parte da Europa e Jesus nasce em Israel dentro do domínio Romano, sendo uma província problemática.
Pra gente entender o problema que Israel estava passando e só imaginar que os líderes romanos recebiam o nome de César “Aquele que os Deuses não cessam de proclamar” uns até de Divi “Divino” como se fosse Deus. Pensemos... Eles espalhavam estatuas desses imperadores por todos os lados, e imagens em moedas o que para o povo romano que tinha mais de 100 deuses, ter mais um, isso não era problema; o que para o povo de Israel, monoteísta, era um grande problema que mal no seu templo que era somente um, não tinha nenhuma imagem do seu Deus. Como aceitariam deixar dentro do seu templo um estandarte de Roma, ou uma imagem ou estatua de César. Isso era inaceitável para eles.
Eles eram uma província em constante revolta, não possuíam uma força militar e não aceitavam pacificamente a dominação romana. Seria como o Iraque há tempos atrás. Sabia que não poderia vencer os EUA, mas, lutavam até a morte se preciso for e não se dão por vencidos.

É preciso também conhecer as correntes de pensamentos de Israel da época basicamente 4 :
Saduceus: “Sacerdotes” – Ligados a Tora (Pentateuco – 5 primeiros livros da bíblia) – Tomavam conta do templo – Não eram inimigos ferrenhos de Roma porque ela (Roma) mesma ajudou financeiramente na reconstrução do templo – Tomavam conta das oferendas citadas nos livros Êxodo, Levítico e Deuteronômio, tinham prestígios, vendiam os animais puros, sem mancha etc. para o sacrifício, eram ricos.
Fariseus: Sábios, grande conhecimento sobre a Tora tinham acesso a “Tora Oral” aquela revelação que Deus fez a Moisés, repassados de geração em geração. Ligados as regras. Exemplo Alimentação: Leite e carne. 613 mandamentos. Sentiam-se santos. Seguiam a risca as leis: Dizimo 10%, sendo em todo contexto (10% do leite, do pão, da colheita etc). Não estavam contentes com Roma, mas, ainda assim estavam tranqüilos por Roma não ter abalado o poder deles.
Essênios: Eram revoltados com romanos e também com as classes acima citadas. Achavam que o povo caiu na corrupção, que a principal busca do povo era o comércio, riquezas e prazeres. Eles apartaram da cidade e viviam no deserto e possuíam regras rígidas para se separarem da “carne”. Na sua maioria se vestiam de peles de animais, eram vegetarianos comiam grilos, gafanhotos e frutas. Exemplo: João o Batista.
Zelotes: Não muito falado na bíblia, mas de grande importância. Guerreiros ou Guerrilheiros que tentavam fazer a independência de Israel. Mal organizados, faziam ataques a soldados romanos ou emissários de Roma e tinham pouco sucesso em sua missão. Eram vistos como baderneiros e assassinos por Roma.
Ex: Barrabás

Vejamos agora como esses grupos identificavam Jesus como “O Messias”

Saduceus: Acreditavam que o Messias viria de uma linhagem “Sacerdotal”. Ele vai ao templo somente 3 vezes. Uma quando criança, outra proclamou a Palavra de Elias causando um tumulto no templo e depois com o chicote para expulsar os vendilhões e quebrou tudo por lá. Aparece Jesus depois comendo entre pecadores, protegendo execuções de prostitutas, comendo, curando aos sábados. Não... esse não é o Messias.

Fariseus: Acreditavam que o Messias seria perfeito na Lei, nos 613 mandamentos. Aparece Jesus resumindo a Lei em 2 mandamentos : Amar ao próximo como a Si mesmo e a Deus sobre todas as coisas. Xingando eles de víboras, hipócritas, curando no sábado, colhendo no sábado, dizendo que eles eram sujos por dentro. Jesus os contrariou bastante. Não... esse não é o Messias.

Essênios: Acreditavam que o Messias seria um homem não carnal, isolado dos homens e do pecado. Que viveria a parte e converteria a todos que viessem a Ele. Aparece Jesus no seu primeiro sinal (milagre) transformando água em vinho em uma festa. Vinho, numa festa carnal, para embriagar o povo, Jesus comendo com Mateus o cobrador de impostos, livrando a pecadora de ser apedrejada. Não... esse não é o Messias.

Zelotes: Acreditava que o Messias seria um grande guerreiro. Que reuniria um exercito que derrubaria Roma. Aparece Jesus com a conversa de que é necessário dar a outra face, amar seus inimigos. Não... esse não é o Messias.

O começo da grande tensão é quando Jesus diz que irá a Jerusalém. Jesus já era conhecido por seus sinais em todo canto de Israel e o povo prepara a sua entrada. É o conhecido Domingo de Ramos. Todo o povo o espera vindo num enorme cavalo com um exercito atrás e aparece Jesus num burrinho pequeno, até na bíblia diz um burrinho que estava com sua mãe, então se vê que era novinho, com 12 homens do povo, desprovidos de grande inteligência e força.
As correntes de pensamento e seus integrantes já pensaram: “Temos que matar esse homem”.
De cara os saduceus preparam uma emboscada em questionamentos para Jesus e o perguntam “Se o que ele fazia era por poder de Deus” Jesus com sua inteligência responde com outra pergunta : E o batismo de João o batista de quem é? Com essa resposta Jesus coloca os saduceus em situação difícil com todo o povo, pois todos respeitavam a João Batista.
Aí vem um grande problema quando Jesus expulsa os comerciantes do templo. Os zelotes se animaram e até acharam que Ele seria o Messias, mas quando questionaram Jesus se é lícito pagar impostos a Roma? Se Jesus disse-se que não, os romanos o prenderiam e o matariam. Se dissesse sim, os zelotes o matariam também como um traidor. Jesus na sua inteligência diz: Impostos? O que é impostos? Dinheiro? Deixe-me ver. De quem é esse rosto cravado na moeda? O povo diz: Jesus! É de César imperador romano. Jesus diz: É. Então daí a César o que é de César e a Deus o que é de Deus. Eu vim para falar as coisas de meu Pai.
E o fim da estória vocês conhecem. Judas o trai, e Jesus é acusado de blasfêmia e num julgamento injusto e mais comentado no mundo e ressuscita gloriosamente no 3º dia.
Para ser breve faremos um exercício intrínseco e de respostas ocultas e principalmente de mudanças aparentes.

Será que hoje em dia temos saduceus? Pessoas que vivem dentro de igrejas e utilizam a igreja de trampolim para a sociedade? Acham que só é santo aquele que vive em sacristias apontando erros dos outros aproveitando deste prestigio?
Será que hoje em dia temos fariseus? Pessoas que impõem regras para o cristianismo? Existe padrões de homem de igreja? Que estão com o interior sujo, com trave nos olhos e vivem reparando a vida, os erros dos outros?
Será que hoje em dia temos essênios? Pessoas que se separam do mundo porque se julgam santos? São incapazes de irem aos pecadores, como Jesus fez? Se acham os donos da verdade e não acolhe os injustiçados, os que estão a margem da nossa sociedade?
Será que hoje em dia temos zelotes? Pessoa que adoram uma briga por causa de poder seja dentro da igreja ou na sociedade? Criam máfias... Pessoas prontas pra criar um inferninho, divisão de grupos?

Eu não tenho respostas, vocês são quem as têm. Esse é o exercício pra essa noite.

Jesus manso e humilde de coração,
fazei no nosso coração semelhante ao Vosso !
Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo, para sempre seja louvado !!!


Jatanaél Alves
Escola Vivencial
MCC – Diocese Luz

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

NÃO VOTARÁS EM CORRUPTOS.

Quando o lendário Presidente dos Estados Unidos da América, Abraham Lincoln afirmou que: “ chegará o dia, em que o homem terá vergonha de ser honesto”. Nunca, jamais, poderia ele imaginar, que tal fato era eminente e com a tendência de que no decorrer de poucos anos, a raça humana já teria dificuldades para encontrar homens dotados de ho- nestidade, caráter e vergonha.

O situação chega a tal ponto, que cada dia, o homem cansa, perde o referencial do certo e do errado, do que é justiça ou injustiça, se as leis são para todos, ou só para os privilegiados. Para complicar mais a situação, em nosso país, somos obrigados a votar. Como escolher, um candidato? Porque as boas pessoas não se candidatam, e se entram na política, dificilmente se elegem. Já os maus políticos, têm sempre a formula certa de como serão eleitos. Ficamos naquela, votar ou não votar. Até sabemos por antecipação quais políticos corruptos que serão eleitos. Fazer o que? anular o voto?

As vezes, até confiamos numa pessoa que se torna num político e se candidata. E um mandato ele irá representar nosso povo e zelar pelos interesses da nação. Que tristeza!... Mais um que passa para o time dos safados. Sofremos raiva e juramos nunca mais votar. Vamos descobrindo a cada dia e a todo momento, que o referencial de homens honestos, com caráter e vergonha, está se esgotando.

Há pouco mais de duas décadas, recortei de um jornal de nossa cidade, uma matéria que continha o titulo que coloquei como tópico desta página. Mais de vinte anos se passaram. Alguém leu, e concordou. Outros nem deram bola para a matéria. Mas, tenho certeza, de que alguns políticos leram e até riram; isto, porque eles sabem muito bem e confiam no quantitativo e na mentalidade do seu eleitorado. Que no popular, são chama- dos pelos próprios políticos, como: “ o eleitor analfabeto”.

Estes mesmos eleitores, são os que frequentemente encontramos pelas nossas ruas e praças, falando mal, e reclamando dos políticos que eles mesmos elegeram. Quem sabe, até mesmo em troca de favores, ou de alguns sacos de cimento, tijolos ou dinheiro.

Naquela época, o editor da matéria já demonstrava sua indignação e sua vergonha pelos políticos. Mencionava no texto, a necessidade de algumas providências, em nome da modernidade e dos costumes éticos. Sugeria a criação de algumas normas, parecidas como as que temos no preceito bíblico: “honrar pai e mãe”, “não matarás” e outras mais.

Que estas nossas novas normas, tivessem como o primeiro artigo: “não votarás em corruptos”. Completando a matéria, ainda afirmava: “O tal de corrupto, é pior que a peste, a lepra e o câncer”. Ele se veste de uma falsidade tamanha que não tem limites. É um lobo com pele de cordeiro, que pelo seus artifícios, se transforma num autêntico Satanás pregador sem pátria. É, assim, o político uma praga da pior espécie.

Emanados com seus eleitores de cabresto e sanguessugas, aparecem e desfilam em épocas propícias, onde está presente a mídia, ou então, nas favelas ou bairros onde reina a miséria, que eles gostam que seja mantida. Ai, se alguém por perto criticar, ou disser uma pequena acusação sobre o político, a resposta já está na ponta da língua, com a tese absurda: “ é corrupto mais faz”, “ veja quantas obras ele fez” ; uma tese tão burra como os seus divulgadores.

Como é bom acreditar que Deus é brasileiro, ou que pelo menos Ele tem muita dó deste povo sofrido, enganado e esquecido pelos nossos governantes e políticos. O certo é que Ele e pela ação do Espírito Santo, providenciou para a Comissão de Justiça e Paz da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB e mais 46 entidades da sociedade civil, conseguissem a aprovação da Lei “FICHA LIMPA” pelo TSE, diante de uma manifestação popular, que mobilizou a sociedade brasileira, levantando 1,7 milhão de assinaturas em papel, e mais de 2 milhões on-line. Muitos de nós cursilhistas, deparamos nos jornais e revistas com sigla “MCCE”, o que não deixa de ser motivo de dúvida, até que traduzida para: “Movimento de Combate a Corrupção Eleitoral”

Mais uma vez, nós Católicos e Cursilhistas podemos nos orgulhar da nossa Igreja e da CNBB. Interessante, e que em momentos de grandeza como este, a mídia nunca está presente, não aparece e nem tem o interesse de divulgar, ou de elogiar, com a mesma ênfase, o trabalho realizado pela nossa Igreja, quanto forma violenta que eles usam para difama-la.

Com esta Lei Ficha Limpa, poderemos ter a esperança de que os maus políticos, corruptos e sem caráter, sejam banidos para sempre da política. E aqueles que ficarem, sejam cuidadosos e criteriosos nas suas atitudes e em seus mandatos, para terem uma boa e longa representatividade da nossa sociedade, no âmbito municipal, estadual ou nacional. Com a Lei que passa a vigorar a partir de agora, quem sabe, num futuro bem próximo, podemos dizer: “Temos orgulho de ser honestos”.



GED – Grupo Executivo Diocesano do MCCB.

sábado, 11 de setembro de 2010

69º CURSILHO FEMININO ADULTO (12 a 15 de Agosto de 2010)

“Bem alto clamei ao Senhor e Ele se inclinou para mim e ouviu meu clamor.”

“Abriu-me a boca para um cântico novo, um hino de louvor ao nosso Deus”

Assim, Davi no Salmo 40, faz sua Ação de Graças, celebrando os benefícios divinos.

Nós que formamos o Grupo do 69º Cursilho Feminino Adulto, usamos dois versículos para render graças pelo Encontro que tivemos; com alegria, muita fé, com metas alcançadas, com dificuldades, mas sem nos esquecer que somos instrumentos frágeis, mas plenos de vontade de acertar.

Nossa esperança é que o MCC, ofereça frutos para continuar a fazer o Reino ser verdadeiro entre o Povo de Deus.

Que o Senhor abençoe a todos que contribuíram para o êxito do 69º Cursilho, e bênçãos especiais ao Padre Emerson, nosso Diretor Espiritual e aos outros sacerdotes: Padre Paulo Sérgio, Padre Carlos Henrique e Padre Ulisses.


Maristela Silva Veloso
Nova Serrana

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

MÊS DA BÍBLIA 2010 - O LIVRO DE JONAS: “LEVANTA – TE E VAI ATÉ A GRANDE CIDADE” (Jn 1,2)

O mês da Bíblia surgiu no Brasil há 39 anos. Escolheu-se o mês de setembro como homenagem ao dia de São Jerônimo, celebrado no dia 30 deste mês. Jerônimo, a pedido do papa Dâmaso, se incumbiu de traduzir a Bíblia para o latim, isso no final do século IV. Por isso, o mês de setembro passou a ser dedicado ao estudo e contemplação das Sagradas Escrituras.

Aclamado como mês da Bíblia, o mês de setembro quer nos ajudar a aprofundar o amor pelas Sagradas Escrituras e colocar a Palavra de Deus como centro de nossa vida, através da celebração e meditação da mesma.

Presente em todos os sacramentos, missas e celebrações que participamos, nas orações e meditações, a Palavra de Deus se faz luz para nossos caminhos, nos orientando em nossa missão de cristãos batizados.

Cada ano nossa Conferência Episcopal (CNBB) sugere um trecho bíblico específico para se fazer a reflexão. Assim, este ano, no desejo de dar continuidade à XII Assembléia Geral Ordinária do Sínodo dos bispos em 2008, que destacava a necessidade do mandato missionário de todo cristão batizado, propõe para o ano de 2010, o estudo meditativo do livro de Jonas.

A V Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano e Caribenho (CELAM) em Aparecida, no ano de 2007, destacou a urgência da ação missionária para a qual todo cristão é convocado. Neste sentido, a meditação do livro de Jonas é de grande valia para que possamos também, como Jonas, assumir nossa tarefa profética e abraçar a missão com todo zelo e ardor.

Uma das melhores formas para se aproximar das Sagradas Escrituras se dá pelo exercício da leitura orante, que nos leva a um encontro profundo com Deus, vivenciando a mensagem por Ele, a nós, anunciada.

Em suma, a Igreja, por meio do livro de Jonas, vem convocar-nos neste mês da Bíblia, para que, despojados do comodismo, possamos assumir uma postura missionária e profética neste mundo moderno marcado pela injustiça e pelo pecado.

A todos os amigos e irmãos em Cristo Jesus um fraterno abraço decolores.....



Toninho - Itaúna

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

As alianças de Deus com seu Povo

Aliança significa pacto, acordo, ajuste, concerto. Teologicamente, diz respeito a concerto entre Deus e o seu povo. O Antigo Testamento é chamado Antiga Aliança, e o Novo Testamento, Nova Aliança. O nosso Deus é Deus de alianças. Através delas, Ele, pelo seu imenso amor, nos dá a garantia de muitas bênçãos, se houver fé e obediência. A iniciativa do concerto sempre foi de Deus, que estabelece as condições. Vejamos:

ALIANÇA COM ADÃO
A primeira aliança Deus fez com Adão e Eva, no Éden: deu-lhes a Terra e pleno domínio sobre os animais; deu-lhes fartura de alimento, abençoou-os e disse-lhes que deveriam frutificar e multiplicar. Mas estabeleceu condições: Não deveriam comer do fruto da árvore da ciência do bem e do mal. O princípio da obediência estava criado. Se comessem da árvore proibida, morreriam. Desobedeceram, quebraram a aliança, e experimentaram imediatamente a morte moral e espiritual, e, depois, a morte física. Convém lembrar que em todos os concertos há promessas de bênçãos, mas há a contrapartida da fé e fiel obediência. (Gênesis 1.27-30; 2.16-17; 3.2-20). Aliança adâmica ou edênica é como é conhecida a aliança com Adão.

ALIANÇA COM NOÉ

Após o dilúvio, do qual se salvaram Noé e sua família, num total de oito pessoas (Gênesis 7.13), Deus falou: "Convosco estabeleço o meu concerto, que não será mais destruída toda carne pelas águas do dilúvio e que não haverá mais dilúvio para destruir a terra". Como sinal perpétuo dessa aliança Deus deixou o arco sobre as nuvens, conhecido como arco-íris. (Gênesis 9.11-17). Chamada aliança noética.

ALIANÇA COM ABRAÃO

O concerto entre Deus e Abraão - aliança abraâmica - foi chamado "concerto perpétuo", porque extensivo às gerações vindouras e já apontando para o Reino Eterno de Cristo (Gênesis 17.7). Como parte da aliança Deus prometeu fazer de Abraão uma grande nação, e abençoar todas as famílias da terra através dele (Gn 12.2-3); dar a terra de Canaã aos seus descendentes, que seriam grandemente multiplicados: "E te farei frutificar grandissimamente e de ti farei nações, e reis sairão de ti" (Gn 12.7,15; 13.16; 15.5; 17.2,6,7,8,9). O concerto foi feito com Abrão, nome mudado por Deus para Abraão (pai da multidão) (Gn 17.39). Como parte da aliança, Abraão deveria circuncidar todos os machos, filhos e servos sob sua autoridade, como selo do conserto, e de aceitação de Deus como Senhor (Gn 17.10-14, 23). Deus prometeu estender a aliança a Isaque, o filho da promessa que iria nascer (Gn 17.16,19).

ALIANÇA COM ISAQUE

Os termos da aliança foram renovados em Isaque: "Serei contigo e te abençoarei... multiplicarei a tua semente como as estrelas dos céus e darei à tua semente todas as terras. E em tua semente serão benditas todas as nações da terra. Eu sou o Deus de Abraão, teu pai. Não temas, porque eu sou contigo, e abençoar-te-ei, e multiplicarei a tua semente por amor de Abraão, meu servo" (Gn 26.2-5,24).

ALIANÇA COM JACÓ

"Eu sou o SENHOR, o Deus de Abraão, teu pai, e o Deus de Isaque. Esta terra em que estás deitado te darei a ti e à tua semente. E tua semente será como o pó da terra... e em ti serão benditas todas as famílias da terra" (Gn 28.13-14). As alianças de Deus com seu povo provam que Ele é fiel à sua palavra. Para recebermos as bênçãos prometidas, fé e obediência são indispensáveis.

ALIANÇA COM OS ISRAELITAS

Passados uns três meses da saída do Egito, Deus falou ao seu povo através de Moisés, ao sopé do monte Sinal (Horebe), para, basicamente, renovar e relembrar os termos do concerto com Abraão, Isaque e Jacó: a) a terra de Canaã seria deles; b) Deus seria o único Deus de Israel; o povo assumiria o compromisso de guardar suas leis e mandamentos; c) seriam castigados em caso de desobediência (Êxodo 6.3-8; 19.4-6; 23.20-25). Uma promessa que deve ser guardada no coração: "Agora, se diligentemente ouvirdes a minha voz, e guardardes a minha aliança, sereis a minha propriedade peculiar dentre todos os povos...vós me sereis reino sacerdotal e nação santa" (Êx 19.5-6). O pacto foi fechado quando o povo declarou: "Tudo o que o Senhor falou, faremos" (Êx 24.3). Deus requer de nós o firme propósito de acatarmos os termos de sua aliança. As leis que deveriam ser obedecidas eram a lei moral (aqui incluídos os Dez Mandamentos), a lei civil, a lei cerimonial.

RENOVAÇÃO DA ALIANÇA NAS PLANÍCIES DE MOABE

Antes da entrada na terra prometida, e após percorrerem o deserto durante 39 anos, os termos do concerto foram relembrados. A finalidade era de dar conhecimento das promessas divinas aos que nasceram durante a peregrinação, e fortalecer espiritualmente o povo para enfrentar o desafio conquistar a nova terra (Deuteronômio 4.44-26.19; 31.1-33.29). Os capítulos 27 e 28 tratam das maldições e das bênçãos decorrentes da rebeldia ou da obediência. CONCERTO COM DAVI - O resultado mais imediato da aliança davídica foi o estabelecimento do reino do filho de Davi, Salomão, que deveria edificar um templo para o Senhor (2 Samuel 7.11-13); o reinado de Davi passaria aos seus descendentes: "Fiz aliança com o meu escolhido; jurei ao meu servo Davi: a tua descendência estabelecerei para sempre e edificarei o teu trono de geração em geração" (Salmos 89.3-4). A condição para o cumprimento dessas bênçãos seria a fiel obediência de Davi e de seus descendentes. A vinda de um Rei messiânico e eterno, da linhagem de Davi, estava implícito nesse concerto (Isaías 9.6-7). "Do trono de Jessé brotará um rebento, e das suas raízes um renovo frutificará (Isaías 11.1; Miquéias 5.2-4). Esse novo Rei seria chamado "O SENHOR, Justiça Nossa" (Jeremias 23.5-6).

A NOVA E ETERNA ALIANÇA EM CRISTO

A promessa de uma nova aliança está em Jeremias 31.31-33: "Vêm dias, diz o Senhor, em que farei uma aliança nova com a casa de Israel e com a casa de Judá... porei a minha lei no seu interior, e as escreverei no seu coração. Eu serei o seu Deus, e eles serão o meu povo." A nova aliança foi selada com o sangue de Jesus, com seu sacrifício voluntário, com sua morte expiatória: "Isto é o meu sangue, o sangue da nova aliança, que é derramado por muitos, para remissão de pecados" (Mateus 26.28). A nova aliança é superior à antiga: "Mas agora alcançou ele ministério tanto mais excelente, quanto é mediador de UM MELHOR CONCERTO, que está confirmado em melhores promessas" (Hebreus 8.6). E as melhores promessas são: os que se arrependem têm seus pecados totalmente perdoados (Hebreus 8.12); um novo coração e uma nova natureza recebem aqueles que verdadeiramente amam e obedecem a Deus (Ezequiel 11.19-20); são recebidos como filhos de Deus (Romanos 8.15-16); têm experiência maior em relação ao Espírito Santo (Joel 2.28; Atos 1.5,8).

Como vimos, de aliança em aliança Deus prosseguiu na execução do seu plano de salvação dos homens, sempre oferecendo novas oportunidades. A primeira manifestação desse plano está em Gênesis 3.15: "E porei inimizade entre ti e a mulher, e entre a tua descendência e o seu descendente; este te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar." Para isso, "Deus mandou o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna."(João 3.16). Já não é mais necessário sacrifício de animais para reparar nossas culpas, como no antigo concerto. O sangue do "Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo" manifestou-se por um ato único, perfeito e eficaz; o sacrifício voluntário de Jesus Cristo abriu o caminho da reconciliação do pecador com Deus.



Jatanael Alves
GED de Formiga

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

O perfil do Bom Cursilhista

O bom cursilhista é aquele que em 1º lugar ama a Deus e pratica seus mandamentos e os da Igreja fazendo jus aos sacramentos recebidos.

O bom cursilhista é aquele que ama o movimento de Cursilhos de Cristandade e procura fazer o melhor dentro de seu núcleo, fazendo com que o movimento de cursilho cresça cada vez mais.

O bom cursilhista é aquele que tem o livro Sagrado como fonte e direção espiritual de sua vida.

O bom cursilhista é aquele que tem a eucaristia como rio de água viva e se coloca a serviço do próximo.

O bom cursilhista é aquele que iluminado pelo Espírito Santo faz ações e/ou gestos concretos, toma atitudes e decisões que edifica o reino dos céus entre nós.

O bom cursilhista é aquele que vive uma vida de oração, perdoa seu semelhante e busca sempre o perdão de Deus.

O bom cursilhista é aquele que faz de tudo para estar bem com Deus, consigo mesmo e com o próximo.

O bom cursilhista é aquele que vive o amor/caridade, renuncia a vaidade, a prosperidade e vive a solidariedade.

O bom cursilhista é aquele que anuncia o evangelho de Cristo e testemunha com obras o que prega.

O bom cursilhista é aquele que vive o 4º dia a cada instante de sua vida e participa ativamente dos encontros do MCC, procurando conhecer e viver o que o movimento tem de melhor.

O bom cursilhista é aquele tem Maria como mãe, São Paulo como intercessor e Jesus Cristo como único salvador de sua vida.

Meus amigos cursilhistas, o melhor ainda está por vir e Cristo conta com você.

Ser cursilhista é ser fiel a Deus, a Igreja, a família, ao MCC, ao trabalho, aos amigos...

Palavras convencem, mas é o testemunho que arrasta os irmãos (as) " eis aqui nossa missão e nossa responsabilidade, vamos fazer a diferença, vamos fazer o que Cristo nos ensinou e pediu que fizessemos."




Alessandro Rodrigues da Silva
GEP São Judas Tadeu - Divinópolis-MG

domingo, 8 de agosto de 2010

Mensagem do GED para o Dia dos Pais!!!

(...) “Meu filho, por que agiste assim conosco? Vê, o teu pai e eu, nós te procuramos cheios de angústia.” (cf. Lucas 2,48).

Todos nós conhecemos esta passagem bíblica, a Familia de Nazaré nos festejos da Páscoa (cf. Lc 2,41-52), e podemos deixar despercebidas realidades que envolvem a realidade da família, a presença do pai. Podemos ver claramente o equilíbrio entre o discurso e os atos, Maria não anula, encobre o papel de pai de José, todos em comunhão, ambos em equilíbrio para a identidade e personalidade do menino Deus.

Observa-se atualmente no perfil da família, no contexto ocidental, a ausência do pai, famílias que não tem o papel real do genitor. Há filhos sem pais, e pais sem filhos! Há um numero considerável desta realidade, tantas violências, agressividade da geração de hoje. O pai é a lei, a segurança, limites de nosso interior, dor e balsamo para nossas feridas, sejam elas corporais ou espirituais. O Pai nasce no instante que nasce o filho, realidade esta que acontece antes no coração,percurso este acontece durante toda a vida, porque os seus braços devem ser constantes para nós. É como diz Werneck (1994): “... o túnel do tempo mostra logo a vida dos pais em períodos muitos curtos.” Curtos períodos de adaptação, de reflexão, sobrecarga de trabalho, pais que muitas vezes esquecem que são pais, daí filhos carentes.

Neste segundo domingo de agosto , festividade para os pais, baseia-se no intuito de festejar os seus feitos por nós; realmente eles merecem; só que não podemos esquecer que todos os dias são festejos para eles.

A Escritura diz: “Um filho sábio reflete a educação do pai.” (cf. Provérbios 13,1). E isto vemos claramente neste relato bíblico, a submissão, educação do Jesus menino com o seu pai terrestre, o carpinteiro José. Mais uma vez a Escritura nos lembra: “ A coroa do avós são os netos, e o adorno dos filhos, o seu pai.” (cf. Provérbios 17, 6-7).

Juntamente com os presentes, abraços, festejos, devemos lembrar também daqueles pais que estão abandonados por seus filhos em hospitais, asilos, ou em algum lugar neste imenso mundo. Filhos carentes, carentes pais, isto acontece a todo intante de nossas vidas, mais que presentes, um coração acolhedor e aberto. Para termos colo e braços a nossa espera, devemos ter a mesma, disponibilidade de sermos filhos, para algum dia sermos verdadeiramente pais; é como diz a canção, o que vamos ser, quando crescemos? E precisamos amar, as pessoas como não houvesse o amanhã!

Podemos dizer mais, é preciso amar os nossos pais, pois o amanhã não depende de nós, que nossos corações e braços estejam sempre completos, com o amor do nossos pais, estejam eles aqui, ou com o Pai celeste.

A todos pais cursilhistas , parabéns por este dia!


Grupo Executivo Diocesano
Ged Divinópolis

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

28º Cursilho Feminino Jovem...

O 28º Cursilho Feminino Jovem foi muito abençoado, vivemos momentos intensos que com certeza nunca sairão da nossa memória.
É muito gratificante ver tantas jovens chegando sedentas de amor e bebendo pouco a pouco na fonte, sendo saciadas e contagiadas ,desejando levar a todos as sementes nesses dias semeadas com amor gratuito.
Todos unidos pelo mesmo Ideal.Ideal de anunciar o amor de Deus por todos e por cada um.
É bonito, é emocionante sentir a certeza desse amor, que une a todos. A equipe servindo sem medir esforços,nosso querido Pe.Paulo Sérgio se desdobrando entre os compromissos da paróquia e o serviço ao movimento também contagiado pelo amor de Deus e desejo, percebido em cada rostinho encontrado na casa, em encontrar em suas palavras a certeza que são amadas pelo Amado.
Durante esses dias sentimos fortemente a força da oração, as alavancas chegadas de longe, de perto, de todo canto, nos dá a certeza que não estamos sozinhos e de que fazemos parte de algo muito importante, de um projeto lindo que é Anunciar a todos o Amor de Deus, que é o desejo de sermos cada vez mais “Sal da terra e luz do mundo”.
Que possamos manter sempre acessa essa chama, esse fogo recebido e tão manifestado em nossa missa de encerramento, que todos que se achegarem a nós sintam o perfume de Deus e possamos com a nossa vida cantar confiantes: “ Nada poderá me abalar ,Nada poderá me derrotar ,pois minha força e vitória é Jesus”.

Grande abraço, Decolores


Martinha Mendes
Grupo Sta Teresinha do Menino Jesus
Divinópolis.





quarta-feira, 21 de julho de 2010

MISSIONÁRIOS DE JESUS - As Características do Missionário Cristão

Texto base: Mateus 10 (Discurso apostólico)

I. É PRECISO ESTAR DISPOSTO A CONFESSÁ-LO DIANTE DOS HOMENS

VS 32-33 – “Portanto, todo aquele que me confessar diante dos homens, também eu o confessarei diante do meu Pai, que está nos céus. Mas qualquer que me negar diante dos homens, também eu o negarei diante do meu Pai, que está nos céus”.
- A palavra “confessar”, significa “afirmar”, “reconhecer”, “concordar”.


- Rm 1, 16: “Porque não me envergonho do evangelho, pois é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê; primeiro do judeu, e também do grego”.
- Esta confissão pode ser feita de duas maneiras:


a) Com os lábios, Rm 10, 9: “Porque, se com tua boca confessares a Jesus como Senhor, e com teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, será salvo”. (boca e coração)


b) Com o nosso testemunho, Tt 1, 16: “Afirmam que conhecem a Deus, mas pelas suas obras o negam, sendo abomináveis, e desobedientes, e réprobos para toda boa obra”.


- Esta confissão a Cristo, deve ser “diante dos homens”. Isso equivale a dizer que a confissão é o meio pelo qual evangelizamos, pregamos a Palavra do Senhor. Outros virão a Jesus através de nossa confissão – testemunha.


II. É PRECISO ESTABELECER CERTAS PRIORIDADES

VS. 34-37 - “Não penseis que vim para trazer paz à terra; não vim para trazer paz, mas espada. Porque eu vim por em discussão o homem contra seu pai, a filha contra a sua mãe, e a nora contra a sogra; e assim os inimigos do homem serão os da sua própria casa. Quem ama o pai ou a mãe mais do que a mim não é digno de mim; e quem ama o filho ou a filha mais do que a mim não é digno de mim”.


- A) Somos ensinados a negar a nós mesmos: “ Então disse Jesus aos seus discípulos: Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, toma a tua cruz e siga-me” (Mt 16, 24).

- B) Somos ensinados a nos despojarmos do velho homem e seus defeitos: “a despojar-vos, quanto ao procedimento anterior, do velho homem, que se corrompe pelas concupiscências do engano”(Ef 4, 22)


-C) Somos ensinados a tratar nosso egocentrismo com maior desprezo: “Antes subjugo o meu corpo, e o reduzo a submissão, para que, depois de pregar os outros, eu mesmo não venha a ficar reprovado” (1Cor 9,27).


III. É PRECISO ESTAR DISPOSTO A CARREGAR A CRUZ

VS 38 - “E quem não toma a sua cruz, e não segue após mim, não é digno de mim”.


- Cruz = sacrifício!!! - A cruz é um instrumento obrigatório para aquele que aspira o discipulado.


- Vs. 39, quando diz: “Quem achar a sua vida perdê-la-a, e quem perder a sua vida por amor de mim, achá-la-a”.


Padre Chrystiam Shankar
(Parte II do Esquema da Mensagem proferida por ocasião da realização da Ultréia Mensal de Divinópolis no GEP de N.S. Aparecida, no dia 27.05.10)

quarta-feira, 16 de junho de 2010

O CHAMADO PARA O DISCIPULADO

Implicações do chamado de Cristo

I. IMPLICA EM MUDANÇA DE VIDA



- “Vinde após mim, eu vos farei pescadores de homens” (Mt 4, 19).



- O seguimento a Cristo implica numa mudança radical de vida e de comportamento.

- Cristo não chamou homens para que alcançassem as glórias e os louvores desse mundo!



- Paulo considerou os apóstolos, incluindo a si mesmo, como sendo o “refugo” do mundo e a “escória” de tudo, 1Cor 4, 13: “Somos difamados, e exortamos: até o presente somos considerados como refugo do mundo, e como a escória de tudo”.



- Mt 6,3: “Buscai primeiro o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas”.

II. IMPLICA EM RENÚNCIA

- “Deixando imediatamente as redes... deixando... o barco e seu pai, seguram-no”, Mt 4, 20-22.



- O chamado de Cristo tem prioridade. Nenhum interesse humano pode sobrepor-se a ela. É difícil, mas é o preço do discipulado. Os discípulos tiveram que deixar “redes”, “barcos de pesca”, “família”, e outras coisas importantes, para que se tornassem úteis para Deus.



- Lc 14, 33: "Assim, pois, todo aquele dentre vós que não renuncia a tudo quanto possui, não pode se meu discípulo”

III. IMPLICA EM URGÊNCIA NO ATENDIMENTO



- “E ele, levantando-se o seguiu”, Mat 9,9.



- O chamado de Cristo não admite demora: resposta imediata!



- Lc 9, 59-61: “ E a outro disse: ‘Segue-me’. Ao que este respondeu: ‘Permite-me ir primeiro sepultar meu pai’. Replicou-lhe Jesus: ‘Deixa os mortos sepultar os seus próprios mortos; tu porém, vai e anuncia o reino de Deus. Ninguém que lança mão do arado e olha pra trás é apto para o reino de Deus”.

IV. IMPLICA NA ELIMINAÇÃO DE TODO E QUALQUER PRECONCEITO



- “Porque come o vosso Mestre com publicanos e pecadores”. Mt 9,11.



- Cristo não fez acepção de pessoas. Aproxima-se de todos com o mesmo interesse de salvar.



- Gl 3,27-29: “Porque todos quantos fostes batizados em Cristo vos revestirtes de Cristo. Não há judeu nem grego; não há escravo nem livre; não há homem nem mulher; porque todos vós sois um em Cristo Jesus. E, se sois de Cristo, então sois descendência de Abraão, e herdeiros conforme a promessa”.

V. IMPLICA NA PROCLAMAÇÃO DE BOAS NOVAS

- “Não vim chamar justos, mas pecadores”. Mt 9, 13.



- O simples anúncio da Boa Nova de salvação, proclama o fato de que o homem afastado de Deus, está perdido; que o amor de Deus busca incessantemente o pecador e que esse pecador passa a gozar os benefícios de salvação no momento em que se arrepende dos seus pecados e aceita, em Jesus Cristo, a oferta do amor de Deus.



- Nós temos a mesma incumbência!



- “Pois, se anuncio o Evangelho, não tenho que me gloriar, porque me é imposta essa obrigação. Ai de mim se não anunciar o evangelho!” 1 Cor 9, 16


Padre Chrystiam Shankar
(Parte I do Esquema da Mensagem proferida por ocasião da realização da Ultréia Mensal de Divinópolis no GEP de N.S. Aparecida, no dia 27.05.10)

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Santos Juninos

Começamos o mês de Junho... e junto começam as Festas Juninas!! Dentre os santos mais comemorados estão São Pedro, Santo Antônio e São João. Vamos aprender um pouquinho sobre eles na visão popular:

Santo Antônio – 13 de Junho

Santo Antônio é o Santo mais popular do Brasil e, também, é conhecido por ser o Padroeiro dos pobres e Santo casamenteiro, sempre sendo invocado para se achar objetos perdidos Esse santo, que normalmente é representado carregando o menino Jesus em seus braços, ficou realmente conhecido como "casamenteiro" e é sempre o mais invocado para auxiliar moças solteiras a encontrarem seus noivos.
Em vários lugares do Brasil, há moças que chegam a realizar verdadeiras maldades com a imagem de Santo Antônio a fim de agilizarem seus pedidos.

Na tradição brasileira, o devoto de Santo Antônio gosta de ter sua imagem pequena para poder carregá-la. Por esse e tantos outros motivos que ele é considerado o "santo do milagres".

Há um outro costume que é muito praticado pela Igreja e pelos fiéis. Todo o dia 13 de junho, as igrejas distribuem aos pobres e desafortunados os famosos pãezinhos de Santo Antônio. A tradição diz que o pãezinhos deve ser guardado dentro de uma lata de mantimento, para a garantia de que não faltará comida durante todo o ano.

São João – 24 de Junho
Comemorado no dia 24 de junho, São João é o Santo mais importante do mês, embora não seja tão casamenteiro quanto Santo Antônio.

Os pais de São João eram Isabel e Joaquim e quando ele nasceu, a Virgem Maria foi visitá-lo,  sendo recebida por Isabel com os versas do "Magnificat" . João cresceu no deserto, pregando a vinda do Messias, seu primo Jesus, a quem batizou. Morreu decapitado por ordem de Herodes que assim agiu para agradar à filha de sua amante.

Dizem que ele nasceu numa noite muito bonita e Isabel, para avisar Maria, mandou erguer um mastro em sua casa, acendendo uma fogueira para iluminar. Era o sinal combinado para a Virgem Maria visitá-la, levando uma capelinha, um feixe de palha seca e folhas perfumadas de manjericão. Por isso é que ainda hoje se levantam mastros e o povo fala das rosas, do cravo, da capelinha e do manjericão.

São Pedro – 29 de Junho
São Pedro, o santo chaveiro por quem todos deverão passar um dia, que abre as portas do céu, fecha as folias do mês de junho, sendo comemorado no dia 29. A sua festa é menos importante para as moças, mas se a mulher é viúva, é dia de grande festa, pois ele é considerado o protetor das viúvas. São Pedro, o barqueiro, é no Brasil o padroeiro das vocações sacerdotais, como chefe da Igreja que foi. No seu dia, os pescadores brasileiros colorem os rios e o mar com suas embarcações enfeitadas para homenageá-lo. Ele também foi o fundador da igreja Católica e o primeiro Papa. Também lhe é atribuída a responsabilidade de fazer chover. Quando começa a trovejar, e as crianças choram com medo, é costume acalmá-las, dizendo: "É a barriga de São Pedro que está roncando" ou "ele está mudando os móveis de lugar".


Carol Coimbra
Divinópolis

quinta-feira, 3 de junho de 2010

Delicadeza de Deus


“Tomai e comei, isto é meu corpo.... Bebei dele todos porque isto é meu sangue...” (Mt. 26, 26-28)



Quando imagino esta cena... Jesus instituindo o sacramento da eucaristia e quando paro para refletir sobre esse grande mistério, me lembro de nossa irmã Maristela de Nova Serrana. Acho muito bonito quando ela fala das delicadezas de Deus para com a gente... E para mim, a eucaristia é a maior de todas elas!

A delicadeza é característica de quem ama com dedicação. Ela vai além da obrigação. É oferecida de forma gratuita na intenção de obter a felicidade de quem se ama.

Depois de toda a experiência vivida pelos apóstolos junto de Jesus, o Deus feito homem, a morte na cruz já seria suficiente para compreendermos o quanto Ele nos ama. E para sabermos que Ele permanecia conosco, bastaria a frase dita no cenáculo: “Eis que estarei convosco todos os dias até o fim do mundo!” (Mt. 28, 20). Mas Ele vai além e arruma um jeito de ficar junto de nós de forma concreta e nos entrega o belíssimo presente: A Eucaristia.

Com toda delicadeza, aquele Deus tão grande, temido pelos povos do antigo testamento e mais ainda pelos seus inimigos, aquele Deus tão poderoso, além de se fazer homem fica ainda bem menor, pra caber num pedaço de pão e uma pouco de vinho, pra ficar do tamanho que agente possa enxergar, tocar e se alimentar Dele. É como o pai que delicadamente se agacha para ficar do tamanho do filho criança e falar olhando nos olhos dele.

É realmente imenso o mistério da Eucaristia. Pena é que agente passa pela missa tão correndo, ou às vezes tão distraídos que não enxergamos diante de nós, "Deus agachado", do nosso tamanho, olhando no nossos olhos e dizendo o quanto nos ama, disposto a nos dar a felicidade que agente tanto procura.

É a beleza desse mistério que celebramos nesta quinta feira, dia 03 de junho com a festa do Corpo e Sangue de Cristo, festa que na verdade precisa ser celebrada a cada comunhão junto com Jesus que se dá a nós de presente.

Boa Celebração para todos!

Isabella Branquinho
Divinópolis

segunda-feira, 31 de maio de 2010

Chave para a Felicidade e o Sucesso

Tem uma lei que é a chave pra felicidade; amar ao próximo e a Deus como a te mesmo. Quando conseguimos compreender esta lei, as demais são desdobramento dela.

Agora, para todo o planejamento, a base precisa ser sólida, pois assim como numa construção de um barraco, se a base for consistente, pode ser o início da construção de um castelo.

Acho que pensar pequeno seja uma chave para o sucesso e a felicidade, pois o que passar do esperado é visto como vantagem; lucro. Já quando pulamos etapas, ai corremos o risco de nos frustrarmos, ai mora a infelicidade. 
Pensar pequeno não é sinônimo de ser pequeno e tão pouco não querer o grande, mas é um caminho onde as adversidades são menores e os obstáculos engrandecedores.

Rodney, silvan Souza Pereira